Para aquele que devolveu minhas asas

Você me tirou o chão.

Foi a primeira coisa que ouvi quando eu disse “chega”. Como se eu fosse o seu chão, como se estivesse em mim, a razão de toda a sua felicidade. Eu nunca havia permitido que você ficasse do meu lado porque era obrigado a isso, e disse repetidas vezes, que só deveria ficar, se quisesse ficar.

Eu nunca te deixei pra trás, nunca quis deixar. E cada degrau que eu subia, eu segurava sua mão pra você me acompanhar. Mas quando você subia mais um, olhava só pra frente e me deixava pra trás.

Eu sempre fiquei sem saber se eu estava errada, ou se você que estava. Talvez os dois estivéssemos certos, porque estávamos caminhando em direções diferentes sem saber, e eu nunca tive medo de caminhar sozinha, porque eu sempre soube onde pisar, mas é que eu achava que queria caminhar com você.

Eu errei, você errou. Eu errava pra me proteger, pra te machucar, você errava porque só pensava em si mesmo. No fim, enquanto eu machucava você, eu me machucava muito mais, e isso foi algo que me fez aprender que não se pode fazer pra alguém, o que a gente não quer para si mesmo.

Depois de um tempo, nós estávamos escondendo nossos erros numa caixa de areia e estampando felicidade no rosto por comodismo, ficamos mornos e eu nunca fui uma pessoa morna. Nos contentávamos com muito pouco. Muito pouco pra mim, muito pouco pra você.

Eu não tirei seu chão, eu sequer te dei ele. As vezes que eu andei e não deixei você pra trás, não era o chão que eu estava te mostrando, era o caminho. E o objetivo de ensinar um caminho a alguém, é mostrar a liberdade de andar sozinho depois. E caminhar só, nos dá a clareza que precisamos para saber exatamente para qual abraço queremos voltar no fim do dia.

Eu não queria voltar para o seu, e você não queria voltar para o meu. Fazíamos isso por costume, não por escolha.

Talvez eu tenha esquecido de agradecer. Pelos sorrisos e pelos machucados. Você não tornou a minha vida pior, ou feia, ou triste. Você não me ensinou a ser fraca, ou a ser má. Você não me fez desacreditar no amor. Você me ensinou a me amar. Me ensinou a ser feliz. E me ensinou que eu nunca devo aceitar menos do que eu sei que mereço. Mesmo que tenha sido da pior forma possível, da forma mais dolorida, e é por isso que eu tenho carinho e respeito por você, pela nossa história, e hoje, por saber o quão alto eu posso voar.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s